Colo: um cuidado que educa

Autores

  • Gilmara da Cunha Pinto Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v4i4.7492

Palavras-chave:

Colo. Segurança. Autonomia

Resumo

Este trabalho foi realizado com crianças de 12 a 24 meses na Creche Área de Saúde, no primeiro semestre de 2012. Iniciamos o ano letivo em processo de adaptação. Este momento nos fez refletir sobre a constante presença do choro na creche, e que, para amenizar esta situação, percebemos que, o oferecimento do colo por parte das professoras de referência foi primordial para que a criança se sentisse segura e confortável. Ao estranhar outra pessoa ou uma situação nova, costumam procurar segurança, retornando temporariamente para a proximidade do professor. Assim, buscam ter o apoio necessário para reorganizar suas emoções.Como trabalhamos com bebês, o colo confortável e seguro é um cuidado fundamental e deve fazer parte do trabalho educativo sempre que necessário juntamente com o diálogo e o brincar junto. Utilizar diversos recursos como músicas, histórias, brincadeiras de roda são metodologias de trabalho que complementam a ação de cuidado implícita no colo. Como resultado observamos a construção de vínculos seguros e saudáveis entre crianças e professores, segurança da família com relação ao trabalho da creche, participação das crianças na rotina de atividades e experiências.
Considerações Finais: A prática de segurar o bebê no colo, durante a rotina de trabalho, possui também uma intencionalidade. Não se trata de apenas “segurar” a criança nos braços, mas sim, de construir laços afetivos seguros para o bom desenvolvimento dos bebês, que resultará na progressiva autonomia e confiança dos mesmos. Ser seguro no colo, ser abraçado e tocado é uma experiência humana essencial. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilmara da Cunha Pinto, Universidade Estadual de Campinas

UNICAMP

Downloads

Publicado

2016-07-15

Como Citar

PINTO, G. da C. Colo: um cuidado que educa. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, v. 4, n. 4, p. 311–311, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v4i4.7492. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/7492. Acesso em: 28 set. 2022.