Óleos parafínicos: um problema para a indústria de petróleo

Autores

  • Vanessa Cristina Bizotto Guersoni Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v4i4.7490

Palavras-chave:

Petróleo. Transporte. Deposição. Parafina. DSC

Resumo

O petróleo é uma mistura complexa de hidrocarbonetos que contem, dentre outros compostos, asfaltenos, resinas, aromáticos e parafinas, tendo este último, séria implicação para o transporte do petróleo, principalmente no trajeto que vai da cabeça do poço produtor até a plataforma. Nas condições de pressão e temperatura de reservatório, as parafinas estão dissolvidas no óleo; ao serem transportados até a plataforma, encontram temperaturas de 4°C no fundo do mar. A temperatura do óleo irá diminuir, e ocorrerá a formação de cristais de parafina, que irão ser depositar nas paredes do tubo, dificultando seu escoamento. Essa temperatura é conhecida como Temperatura Inicial de Aparecimento de Cristais (TIAC) e é muito importante ser conhecida, assim como a curva de viscosidade em função da temperatura. A TIAC foi determinada por DSC (calorimetria de varredura diferencial) e a rampa de viscosidade em função da temperatura foi feita no reômetro.  A alteração brusca da viscosidade numa determinada temperatura, decorrente do aparecimento dos cristais, não é a mesma temperatura crítica resultante do DSC. Isto pode estar relacionado a sensibilidade da técnica: o calorímetro é sensível a formação dos primeiros cristais, enquanto que no reômetro é necessária uma quantidade significativa de cristais para alterar a viscosidade. Estas propriedades são muito importantes de se conhecer para poder prevenir, remediar e mitigar os problemas que podem ocorrer por conta da precipitação de parafinas nos dutos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Cristina Bizotto Guersoni, Universidade Estadual de Campinas

Graduada em Química (2001), Mestre em Química (2004) e Doutora em Química (2008) (área de concentração Físico-Química) pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente, é pesquisadora do Laboratório de Garantia de Escoamento (LGE), do Centro de Estudos de Petróleo da UNICAMP. Atua nas áreas de escoamento multifásico de petroléo e garantia de escoamento, com ênfase nos seguintes temas: redução de atrito, reologia, emulsões, depósitos orgânicos.

Downloads

Publicado

2016-07-15

Como Citar

GUERSONI, V. C. B. Óleos parafínicos: um problema para a indústria de petróleo. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, v. 4, n. 4, p. 309–309, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v4i4.7490. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/7490. Acesso em: 1 dez. 2022.