Banner Portal
Aspectos emocionais e psicossociais de pacientes submetidos a transplante hepático
PDF

Palavras-chave

Fígado. Cirrose hepática. Psicossocial. Transplante hepático

Como Citar

ELAINE, Ana Maria Neder de Almeida; ATAÍDE, Cristina; UDO, Elisabete Yoko; BOIN, Ilka de Fátima Santana Ferreira; MEI, Maria de Fatima Trovato; PORTUGAL, Teresa Cristina Mucinhato. Aspectos emocionais e psicossociais de pacientes submetidos a transplante hepático. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 5, p. 204–204, 2016. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/7128. Acesso em: 19 abr. 2024.

Resumo

Apesar de ser um procedimento de grande porte, com morbidade não desprezivel, o transplante hepático aumenta a sobrevida dos pacientes com doença hepática grave. O objetivo foi analisar aspectos da vida pessoal e da qualidade de vida desses pacientes por meio de entrevista, entre janeiro de 2012 a maio de 2013, no Ambulatório de Transplantes do Gastrocentro- Unicamp. Foram entrevistados 40 transplantados do sexo masculino (72,7%) e 15 do sexo feminino (21,3%), com idade média foi de 48,3 anos (18-67 anos). O tempo médio entre o transplante e entrevista foi de três anos (1-12 anos). A indicação do transplante foi por hepática alcoólica, hepatite B, hepatite C, o carcinoma hepatocelular e outros, respectivamente, em 27,2%, 10,9%, 27,2%,3,6% e 31,1% dos casos. 52% dos pacientes eram casados e 22% solteiros. Melhoria nas relações familiares foi relatada por 50,1% e 21,8% dos pacientes. A melhoria da situação financeira foi relatada por 43,6% dos casos, o equivalente em 32,7% e em 23,7% ficou pior. A melhora na ingestão alimentar, na atividade física e atividade sexual foi relatado por, respectivamente, 89%, 54,5% e 36,3% dos pacientes. Os sintomas depressivos foram identificados em 32,7% dos pacientes. E avaliação pessoal do transplante foi considerada positiva por 85,4% dos pacientes. Concluiu-se que todos os aspectos pessoais analisados tiveram melhora significativa após o transplante, mostrando que o procedimento leva à melhoria da qualidade de vida para os pacientes com doença hepática grave.

PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Ana Maria Neder de Almeida Elaine, Cristina Ataíde, Elisabete Yoko Udo, Ilka de Fátima Santana Ferreira Boin, Maria de Fatima Trovato Mei, Teresa Cristina Mucinhato Portugal

Downloads

Não há dados estatísticos.