Banner Portal
A importância do técnico de enfermagem no exame de urodinâmica.
DPF

Palavras-chave

Urodinâmica
Enfermagem
Procedimento

Como Citar

SILVA, T. C. N.; CÂNDIDO, E. C.; NEDER, A. M.; ARRUDA, M. A. A. A importância do técnico de enfermagem no exame de urodinâmica. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 8.Eixo 3, p. e0220893, 2023. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/18042. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Introdução/Objetivo: O estudo urodinâmico é um exame urológico capaz de medir a capacidade de armazenamento e esvaziamento de urina pela bexiga, avaliando a sensibilidade do órgão, nível de enchimento máximo, elasticidade e possíveis contrações involuntárias da bexiga. No HC da Unicamp, esse exame é realizado por urologistas sendo auxiliados por técnicos de enfermagem do ambulatório de cirurgia que passam por treinamento e aperfeiçoamento específicos e são responsáveis pela recepção e preparo do paciente, montagem do equipamento, preparo dos materiais, e apoio geral para todos Objetivo: Descrever a importância da enfermagem na realização do exame de urodinâmica buscando preservar junto à equipe a qualidade do exame, assim como o preparo do paciente por ser um exame invasivo e desconfortável. Metodologia: O agendamento começa com á orientação sobre o local e cuidados gerais como ir de bexiga cheia, levar garrafa de água, aparar os pelos pubianos ,se usar sonda fechar antes do exame . Checar o aparelho e conferir seu funcionamento é necessário antes do exame, assim como conectar todas as extensões e trocar a cada paciente. No dia do exame o paciente e seus acompanhantes são recepcionados, os documentos são recolhidos e triado á cada paciente: se o mesmo consegue urinar e ou segurar a urina; a coloração desta e a possibilidade de sinais de infecção; se a sonda vesical está fechada; se faz cateterismo em casa e qual o último horário; se apresenta alguma deficiência e por fim, possíveis alergias. Logo após, o paciente é encaminhado à sala seguido pela realização do exame. Resultados: Resultados e discussão: Na urodinâmica o preparo do material e o acolhimento do paciente são etapas essenciais para facilitar um bom andamento do exame tendo-se em consideração que é proporcionada confiança ao paciente e seus acompanhantes devido ao envolvimento do técnico de enfermagem. Portanto, esse profissional se torna referência ao garantir contínua assistência e apoio. Glashan et al. (2000) afirmam que a presença da enfermagem na sala de urodinâmica no Brasil é infrequente e, após avaliação feita por pacientes de diversas idades e ambulatórios, concluiu-se que o envolvimento do profissional é fundamental não só para esclarecer o procedimento aos pacientes como também para assegurar a característica qualidade da assistência de enfermagem. Por sua vez, Felisberto et al. (2018) relatam a importância da avaliação da enfermagem aos pacientes, valorizando o acolhimento, o acesso à informação e ao conhecimento prévio do exame e também os cuidados que minimizam a ansiedade e o medo pertinentes à realização do procedimento. Conclusão: Considerando que durante o exame de urodinâmica estamos participando de um momento de extrema delicadeza envolvendo a privacidade do paciente, a empatia se torna o fator primordial no atendimento. Portanto, é necessário um preparo técnico e atualizado do profissional de enfermagem com o intuito de garantir a qualidade do exame e o atendimento ao paciente proporcionando, então, uma melhor compreensão das disfunções urinárias e seus respectivos comportamentos de modo a promover qualidade de vida.

DPF

Referências

FELISBERTO, A.M.S.; WANDERLEY, R.M.M.; DIAS, G.K.G. "Avaliação urodinâmica em idosas com incontinência urinaria: um relato de experiência a partir da consulta de enfermage". In R. pesq. cuid. fundam. online. 4º de junho de 2018 [citado 8º de setembrode2022];10(Especial):147-50.Disponível em: <http://www.seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/7630> Acesso em 07 de setembro de 2022 GLASHAN, R.G.; LELIS, M.A.S.

BRUSCHINI, H. In Acta Paul Enf, V. 13, Número Especial, Parte II, São Paulo, 2000, p. 220-222. Disponível em: <https://acta-ape.org/article/caracterizacao-do-paciente-atendido-na-sala-de-disturbios-da-miccao-de-um-hospital-geral-universitario-de-sao-paulo/> Acesso em 07 de setembro de 2022. https://uromedical.com.br 12 de maio de 2020;

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Tania Cristina Neves Silva, Elaine Cristina Cândido, Ana Maria Neder, Maria Aparecida Alves Arruda

Downloads

Não há dados estatísticos.