Banner Portal
Avaliação da taxa de adequação de escala em relação ao número de atendimentos com verticalização de pacientes e a complexidade em unidade de terapia intensiva (UTI) pediátrica
PDF

Palavras-chave

Gestão
Qualidade
Indicadores
Dimensionamento pessoal

Como Citar

GIANTOMASSI, Maria Carolina Merli; MARQUES, Simone Fernandes Davi; COHEN, Milena Antonelli; GASTALDI, Erica Ferreira Santos; VIAN, Bruna Scharlack; RATTI, Lígia dos Santos Roceto; FIGUEIREDO, Luciana Castilho de. Avaliação da taxa de adequação de escala em relação ao número de atendimentos com verticalização de pacientes e a complexidade em unidade de terapia intensiva (UTI) pediátrica. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 8.Eixo 1, p. e0220015, 2023. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/17719. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

Introdução/Objetivo: A RDC07/2010 recomenda uma relação de um fisioterapeuta para 10 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI), o que pode interferir na escolha da conduta fisioterapêutica. O objetivo do estudo foi avaliar a relação entre a taxa de adequação (TA) de escala de trabalho da fisioterapia, dada pela RDC07/2010, com a taxa de atendimentos com verticalização (TV) e a taxa de pacientes em uso de dispositivos (TD) como ventilação mecânica invasiva (VMI), não invasiva (VNI) e com terapia de alto fluxo (TAF) em UTI pediátrica. Metodologia: Trata-se de um estudo retrospectivo de análise de banco de dados do Serviço de Fisioterapia do Hospital de Clínicas da Unicamp (SFTO/HC/UNICAMP), entre janeiro e junho de 2022. Foram analisados indicadores de gestão de TA , TV, além da TD. Resultados: Foram analisados dados de 5089 atendimentos fisioterapêuticos, sendo que a TA em relação à TV, em janeiro foi de 44% versus 2,9. Nos meses subsequentes: 54% versus 2,25; 82% versus 2,7; 89% versus 1,4; 61% versus 1,4; 77% versus 3,9. Houve uma média na TD de 64,6%. A relação de um fisioterapeuta para 10 leitos parece ser determinante na escolha da conduta do plano terapêutico, pois fixa o tempo total de terapia em aproximadamente 30 minutos/leito. A Associação brasileira de fisioterapia respiratória (ASSOBRAFIR) recomenda a relação mínima de um fisioterapeuta para cada 6 leitos de Terapia Intensiva para garantir uma adequada assistência para pacientes de alta complexidade como esse grupo analisado do HC/UNICAMP. Conclusão: Os dados sugerem que não houve relação direta da TA na escolha da conduta com a TV de pacientes pediátricos. A TD parece estar relacionada à situação epidemiológica atual, pois no período analisado, a maioria dos atendimentos envolveram pacientes em VMI/VNI/TAF.

PDF

Referências

ROTTA, Bruna Peruzzo; SILVA, Janete Maria da; FU, Carolina; GOULARDINS, Juliana Barbosa; PIRES-NETO, Ruy de Camargo; TANAKA, Clarice. Relação entre a disponibilidade de serviços de fisioterapia e custos de UTI. J Brasi Pneumol, 44(3): 184-189, 2018.

ASSOBRAFIR. Posicionamento da ASSOBRAFIR em relação à permanência obrigatória do fisioterapeuta 24 horas/dia na UTI. Disponível em :https://assobrafir.com.br/posicionamentoassobrafir/ Acesso em 26 de fevereiro de 2017.

ANVISA. RESOLUÇÃO Nº 7. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Disponível em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html. Acesso em 24 de fevereiro de 2010.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Maria Carolina Merli Giantomassi, Simone Fernandes Davi Marques, Milena Antonelli Cohen, Erica Ferreira Santos Gastaldi, Bruna Scharlack Vian, Lígia dos Santos Roceto Ratti, Luciana Castilho de Figueiredo

Downloads

Não há dados estatísticos.