Determinação da concentração de urânio em poços de abastecimento público da região urano-fosfática de Pernambuco

Autores

  • Cleomacio Miguel da Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Gustavo Henrique Souza Universidade Federal de Pernambuco
  • Romilton dos Santos Amaral Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.5196/physicae.3.8

Palavras-chave:

Urânio, Física

Resumo

A região urano-fosfática do Nordeste estende-se do sul da cidade de Olinda, no estado de Pernambuco, até o extremo norte do estado da Paraíba, apresentando uma das mais altas concentrações de U3 O8 (30 a 500 ppm), quando comparada com outras ocorrências mundiais. A área costeira sedimentar desta região é bastante rica em recursos hídricos subterrâneos. Em vista disto, este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de determinar os níveis de urânio nas águas dos poços de abastecimento público da região, confrontando-os com os limites estabelecidos pela Portaria n o 36/GM do Ministério da Saúde, para se avaliar o risco à saúde da população em virtude da ingestão de água. Para determinação do urânio, utilizou-se o método da fluorimetria, a partir da deposição de uma alíquota da amostra em pastilhas de uma mistura contendo 2 g de fluoreto de lítio e 98 g de fluoreto de sódio que sofreram fusão a 1020 0 C. As pastilhas foram levadas a um fluorímetro modelo Jarrel-Ash-2700, onde foram efetuadas as leituras. Os níveis de urânio nos poços, variaram de 22,5 a 919,5 mBq/L, resultando doses efetivas de 5,5 x 10-4 e 1,6 x 10-3 mSv/ano, na população da região estudada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleomacio Miguel da Silva , Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Gustavo Henrique Souza , Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Romilton dos Santos Amaral , Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Referências

J. B. Hursh & N. L. Spoor, Springer Verlag, 271 (1973).

S. Saad, Aspectos econômicos do aproveitamento do urânio associado aos fosfatos do Nordeste. Boletim Técnico, CNEN, Rio de Janeiro, (7): 9-34, 1974.

M. G. de Almeida, Estudo para o aproveitamento do urânio como subproduto da fosforita do Nordeste brasileiro. São Paulo: INSTITUTO DE QUÍMICA, USP, 1974. (Dissertação de Mestrado).

M. E. Wrenn et.al., Health Phys., 48, 601, (1995).

E. M. Aieta et. al., J. Am. Water Works Assoc., 74, 144 (1987).

V. V. Cherdintserv, Jerusalém Wrener Brindery., 31, 71 (1971).

C. R. Cothern & W. L. Lappenbusch, Health Phys., 45, 89 (1983).

R. G. Castle, Water Env. Manage, 2, 275 (1988).

M. E. Wrenn et. al., Report. to USEPA. Univ. of Utah. 1987.

UNITED STATES ENVIROMENTAL PROTECTION AGENCY-USEPA, 1991.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Normas de potabilidade da água destinada ao consumo humano. (Portaria no 36/GM), 1990.

I. M. Fisenne & G. A Welford, Health Phys., 50, 739, (1986).

J. E.Till & H. R. Meyer, Radiological assessment: a testbook on enviromental dose analysis . NUREG/CR – 3332. ORNL – 598. Washington, 1983

INTERNATIONAL COMMISSION ON RADIOLOGICAL PROTECTION-ICRP-60, 1991.

F. A. Centanni et.al., Anal. Chem., 28, 243, (1956).

INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÃO E DOSIMETRIA-IRD, 1993.

K. L. Holbert, Health Phys., 68, 185, (1995).

L. Salonen, Rad. Prot. Dos., 24, 163, (1988).

W. S. Reeder et. al., Geochim. Cosmochim. Acta, 139, 224, (1972).

Mays et. al., Health Phys., 48, 635, (1985).

R. E. Rowland et. al., Rad. Ras., 76, 368, (1978).

Downloads

Como Citar

Silva , C. M. da ., Souza , G. H. ., & Amaral , R. dos S. (2020). Determinação da concentração de urânio em poços de abastecimento público da região urano-fosfática de Pernambuco . Physicae, 3(1), 58–62. https://doi.org/10.5196/physicae.3.8

Edição

Seção

Artigos