Así en el Municipio como en el Estado

representación corporativa evangélica en las elecciones de 2018 y 2020 en el Estado de Paraná, Brasil

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.20396/csr.v23i00.15804

Palabras clave:

Religión y política, Campaña electoral, Candidatos oficiales, Iglesias pentecostales

Resumen

En este artículo se analizan las continuidades y similitudes en el uso del capital religioso en las estrategias electorales de los candidatos apoyados por denominaciones evangélicas. Se abordan las campañas electorales, tanto para los cupos de diputados en el poder Legislativo del Estado de Paraná (2018), como para los cupos de concejales en Cámara Municipal de Campo Mourão (2020), de representantes oficiales de la Assembleia de Deus, de la Igreja Quadrangular y de la Igreja Universal do Reino de Deus. Se recopilan y sistematizan materiales publicados en redes sociales, considerando la intensidad en la que se utilizan los signos hieráticos, la forma de construcción de las campañas y el estilo con que se accionaron las identidades sacras en tales campañas. Se constata que la participación de religiosos en el ágora pública presenta una agenda y unas estrategias simbólicas y pragmáticas, con el aparente objetivo de expandir el reino de Dios sobre la política y hacer la voluntad de la Iglesia, tanto en el Municipio como en el Estado.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Frank Antonio Mezzomo, Universidad Estatal del Paraná

Doctor en Historia por la Universidad Federal de Santa Catarina (UFSC). Profesor de la Universidad Estatal de Paraná (UNESPAR). 

Brandon Lopes dos Anjos, Universidad Estatal del Paraná

Licenciado en Historia por la Universidad Estatal de Paraná (UNESPAR).

Ari Pedro Oro, Universidad Federal de Río Grande del Sur

Doctor en Antropología por la Universidad de Paris III - Sorbonne Nouvelle. Profesor de la Universidad Federal de Río Grande del Sur (UFRGS). 

Citas

ACERVO. Acervo “Religião e política: campanhas eleitorais e mandatos políticos”. Grupo de Pesquisa Cultura e Relações de Poder. 2020.

AGGIO, Camilo de Oliveira; REIS, Lucas dos Santos. Campanha eleitoral no Facebook: usos, configurações e o papel atribuído a esse site por três candidatos eleitos nas eleições municipais de 2012. In: Revista Compolítica, v.2, n.3, pp. 155-188, 2013.

ALEIXO, Vítor Corrêa. Trânsito religioso e regulação institucional: um estudo de caso na Igreja do Evangelho Quadrangular em Belo Horizonte. In: Religião & Sociedade, v.39, n.3, pp. 11-33, 2019.

ALMEIDA, Ronaldo de. A onda quebrada: evangélicos e conservadorismo. In: Cadernos Pagu, n.50, pp. 1-27, 2017.

ALMEIDA, Ronaldo de. Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. In: Novos Estudos CEBRAP, v.38, n.1, pp. 185-213, 2019.

ALVES, José Eustáquio Diniz; CAVENAGHI, Suzana. A transição religiosa no Brasil e alguns aspectos eleitorais. In: Revista Senso, n.18, 2020.

BALLOUSSIER, Anna Virginia. Citado na CPI, Malafaia diz falar “quase que diariamente” com Bolsonaro e que iria à comissão: “digo tudo”. In: Folha de S. Paulo, São Paulo, 20 maio 2021.

BIROLI, Flávia; MACHADO, Maria das Dores Campos; VAGGIONE, Juan Marco. Gênero, neoconservadorismo e democracia: disputas e retrocessos da América Latina. São Paulo: Boitempo, 2020.

BONFIM, Evandro de Souza. O Espírito Santo e o “rei do fim do mundo”: transmissão de carisma e iconografia escatológica no governo Bolsonaro. Ciencias Sociales y Religión / Ciências Sociais e Religião, v.22, pp. 1-18, 2020.

CALLEGARI, Rafael Almeida. Um campo político “não tão laicizado” e agentes religiosos “não muito políticos”: a Igreja do Evangelho Quadrangular no tempo da política. 141f. Dissertação de Mestrado – Interdisciplinar Sociedade e Desenvolvimento. Campo Mourão: Universidade Estadual do Paraná, 2018.

CAMURÇA, Marcelo. Igreja Universal do Reino de Deus: entre o “plano de poder” e a lógica de minoria perseguida. In: Religião & Sociedade, v.40, n.1, pp. 43-66, 2020.

CARRANZA, Brenda. Evangélicos: o novo ator político. In: PÉREZ GUADALUPE, José Luis Pérez; CARRANZA, Brenda (Orgs.). Novo ativismo político no Brasil: os evangélicos do século XXI. Rio de Janeiro: Konrad Adenauers Stiftung, pp. 171-192, 2020.

CARREIRO, Gamaliel da Silva. Sobre a lógica do voto evangélico no Brasil: filiação religiosa e seu impacto na política brasileira. In: Século XXI, v.7, n.2, pp. 66-100, 2017.

CARVALHO JUNIOR, Erico Tavares de; ORO, Ari Pedro. Eleições municipais 2016: religião e política nas capitais brasileiras. In: Debates do NER, v.18, n.32, pp. 15-68, 2017.

CCAP. Guia orientativo do processo eleitoral municipal: eleições 2020. Facebook. 13 ago. 2020.

CHRISTI, Rafaela. O uso de jingles político-religiosos nas eleições à ALEP: uma abordagem da comunicação política a partir da História Pública Digital. 136f. Dissertação de Mestrado em História Pública. Campo Mourão: Universidade Estadual do Paraná, 2020.

CORREA, Marina Aparecida Oliveira dos Santos. Igrejas Assembleias de Deus no Brasil: pastores-presidente e os “laços fraternos”. In: Caminhos, v.12, n.1, pp. 240-259, 2014.

CUNHA, Magali do Nascimento. Religião e política no Brasil nas primeiras décadas dos anos 2000: o protagonismo dos evangélicos. In: Fronteiras, v.3, n.1, pp. 40-65, 2020.

FAJARDO, Maxwell Pinheiro. “Onde a luta se travar”: a expansão das Assembleias de Deus no Brasil urbano (1946-1980). 358f. Tese de Doutorado em História. Assis: Universidade Estadual Paulista, 2015.

FRESTON, Paul. Evangélicos na política brasileira. In: Boletim Teológico, v.6, n.18, pp. 21-42, 1992.

FRESTON, Paul. Protestantes e política no Brasil: da constituinte ao impeachment. 303f. Tese de Doutorado em Ciências Sociais. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1993.

FRESTON, Paul. Bolsonaro, o populismo, os evangélicos e América Latina. In: PÉREZ GUADALUPE, José Luis Pérez; CARRANZA, Brenda (Orgs.). Novo ativismo político no Brasil: os evangélicos do século XXI. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer Stiftung, pp. 371-391, 2020.

FPE. Quem somos. Frente Parlamentar Evangélica. 2019.

G1 PARANÁ. MP-PR faz nova denúncia contra o deputado Pastor Edson Praczyk. G1 Paraná, Curitiba, 29 jul. 2016.

GRACINO JUNIOR, Paulo; REZENDE, Gabriel Silva. A vez dos eleitos: religião e discurso conservador nas eleições municipais do Rio de Janeiro. In: Revista Brasileira de História das Religiões, v.13, n.38, pp. 259-289, 2020.

IURD. Você conhece o grupo Arimateia? Universal. 16 ago. 2020.

LACERDA, Fábio. Pentecostalismo, eleições e representação política no Brasil Contemporâneo. 144f. Tese de Doutorado em Ciência Política. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2017.

LACERDA, Fábio; BRASILIENSE, José Mario. Brasil: la incursión de los pentecostales en el poder legislativo brasileño. In: PÉREZ GUADALUPE, José Luis; GRUNDBERGER, Sebastian (Orgs.). Evangélicos y poder en América Latina. Lima: KAS; IESC, pp. 141-180, 2018.

LACERDA, Marina Basso. Neoconservadorismo de periferia: articulação familista, punitiva e neoliberal na Câmara dos Deputados. 207f. Tese de Doutorado em Ciência Política. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2018.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Pentecostais, sexualidade e família no congresso nacional. In: Horizontes Antropológicos, v.23, n.47, pp. 351-380, 2017.

MACHADO, Maria das Dores Campos. A vertente evangélica do neoconservadorismo brasileiro. In: PÉREZ GUADALUPE, José Luis; CARRANZA, Brenda (Orgs.). Novo ativismo político no Brasil: os evangélicos do século XXI. Rio de Janeiro: Konrad Adenauers Stiftung, pp. 271-286, 2020.

MACHADO, Maria das Dores Campos; BURITY, Joanildo. A ascensão política dos pentecostais no Brasil na avaliação de líderes religiosos. In: Dados, v.57, n.3, pp. 601-631, 2014.

MAGALHÃES, Alexander Soares. Os jovens e o pentecostalismo: considerações sobre a identidade da juventude da igreja Assembleia de Deus a partir de um estudo de caso na Baixada Fluminense – RJ. In: Interseções, v.20, n.2, pp. 268-285, 2018.

MARIANO, Ricardo. Expansão e ativismo político de grupos evangélicos conservadores: secularização e pluralismo em debate. In: Civitas, v.16, n.4, pp. 710-728, 2016.

MARIANO, Ricardo. O barulho dos evangélicos: entrevista com Ricardo Mariano. Instituto Humanitas Unisinos. 14 nov. 2017.

MARIANO, Ricardo; GERARDI, Dirceu André. Eleições presidenciais na América Latina em 2018 e ativismo político de evangélicos conservadores. In: Revista USP, n.120, pp. 61-76, 2019.

MARIANO, Ricardo; HOFF, Marcio; DANTAS, Toty. Evangélicos Sanguessugas, presidenciáveis e candidatos gaúchos: a disputa pelo voto dos grupos religiosos. In: Debates do NER, v.7, n.10, pp. 65-78, 2006.

MATOS, Teresinha. “Ideologia de gênero”: estratégia discursiva e arma política. Laboratório de Antropologia da Religião. 18 jun. 2021.

MEZZOMO, Frank Antonio; ANJOS, Brandon Lopes dos; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira. “A milícia dos remidos marcha impoluta”: campanha de evangélicos assembleianos ao legislativo paranaense em 2018. In: Projeto História, v.67, n.1, pp. 42-78, 2020a.

MEZZOMO, Frank Antonio; ANJOS, Brandon Lopes dos; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira. Os usos do Facebook em campanhas eleitorais: atuação de candidatos evangélicos apoiados por instituições religiosas. In: Compolítica, v.10, n.2, pp. 109-136, 2020b.

MEZZOMO, Frank Antonio; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira. Religião e política: estratégias institucionais e acionamentos religiosos por candidatos evangélicos em eleições proporcionais (2008-2016). In: Rever, v.17, n.3, pp. 139-165, 2017.

MEZZOMO, Frank Antonio; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira. Religião católica, evangélica e afro-brasileira em disputa eleitoral: acionamento de elementos religiosos na campanha à Assembleia Legislativa do Paraná. In: Tempo e Argumento, v.11, n.26, pp. 456-485, 2019.

MEZZOMO, Frank Antonio; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira; ONOFRE, Lucas. Evangélicos na política: as eleições proporcionais de Campo Mourão em 2012. In: Rever, v.14, n.2, pp. 244-264, 2014.

MEZZOMO, Frank Antonio; SILVA, Lucas Alves da; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira. “Pela ‘família tradicional’”: campanha de candidatos evangélicos para a ALEP nas eleições de 2018. In: Revista Brasileira de História das Religiões, v.13, n.39, pp. 13-41, 2021.

MEZZOMO, Frank Antonio; NASCIMENTO, Lara Pazinato; SILVA, Lucas Alves da; ANJOS, Lucas Lopes dos. “Tocai a trombeta entre as nações”: Dia do Evangélico e a construção de uma cultura pública evangélica. In: Religare, v.17, n.2, pp. 651-672, 2020.

NICOLAU, Jairo. O Brasil dobrou à direita: uma radiografia da eleição de Bolsonaro em 2018. São Paulo: Zahar, 2020.

ORO, Ari Pedro. A política da Igreja Universal e seus reflexos nos campos religioso e político brasileiro. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.18, n.53, pp. 53-69, 2003.

ORO, Ari Pedro; ALVES, Daniel. Jair Bolsonaro, líderes evangélicos negacionistas e a politização da pandemia do novo coronavírus no Brasil. In: Sociedad y Religión, v.30, n.54, pp. 121-147, 2020.

PAULA, Vitor Aparecido Santos de. Religião e política no vale do Paranapanema: a Igreja do Evangelho Quadrangular em Assis-SP (1996-2008). 148f. Dissertação de Mestrado em História. Assis: Universidade Estadual Paulista, 2012.

PÉREZ GUADALUPE, José Luis. “El hermano no vota al hermano”: la inexistencia del voto confesional y la subrepresentación política de los evangélicos en América Latina. In: Ciencias Sociales y Religión / Ciências Sociais e Religião, v.22, pp. 1-39, 2020.

PIERUCCI, Antonio Flavio. As bases da nova direita. In: Novos Estudos CEBRAP, n.19, pp. 26-45, 1987.

PRANDI, Reginaldo; SANTOS, Renan Willian; BONATO, Massimo. Igrejas evangélicas como máquinas eleitorais no Brasil. In: Revista USP, n.120, pp. 43-60, 2019.

ROCHA, Camila. “Menos Marx, mais Mises”: uma gênese da nova direita brasileira (2006-2018). 232f. Tese de Doutorado em Ciência Política. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2018.

RODRIGUES-SILVEIRA, Rodrigo; CERVI, Emerson Urizzi. Evangélicos e voto legislativo: diversidade confessional e voto em deputados da bancada evangélica no Brasil. In: Latin American Research Review, v.54, n.3, pp. 560-573, 2019.

SANTOS, Lívia Reis. Confiança ou cabresto? Considerações sobre o comportamento eleitoral de um grupo evangélico nas eleições municipais de 2012. In: Intratextos, v.4, n.1, pp. 73-92, 2013.

SEXUGI, Fábio Alexandro. Entre o santíssimo e os santinhos: a atuação do Ministério Fé e Política nas eleições proporcionais de 2014 no Paraná. 143f. Dissertação de Mestrado - Interdisciplinar Sociedade e Desenvolvimento. Campo Mourão: Universidade Estadual do Paraná, 2019.

SOARES, Luiz Eduardo. Revoluções no campo religioso. In: Novos Estudos CEBRAP, v.38, n.1, pp. 85-107, 2019.

TEITELBAUM, Benjamin. Guerra pela eternidade: o retorno do Tradicionalismo e a ascensão da direita populista. Campinas: Editora Unicamp, 2020.

TRE/PR. Tribunal Regional Eleitoral – PR. 2021.

TESSER, Tabata Pastore. Ecumenismo (neo)conservador: pacto programático-religioso na defesa da agenda anti-gênero. In: Coletivo Bereia. 11 jun. 2021.

TUPAN, Fernando. Noemia não terá apoio da Igreja para disputar eleição em 2018. Youtube. 23 out. 2017.

ZANLORENSSI, Gabriel; ALMEIDA, Rodolfo; NUNES, Fernanda. A genealogia e o perfil dos partidos brasileiros. In: Nexo Jornal, São Paulo, 2020.

Publicado

2021-12-30

Cómo citar

Mezzomo, F. A., Anjos, B. L. dos, & Oro, A. P. (2021). Así en el Municipio como en el Estado: representación corporativa evangélica en las elecciones de 2018 y 2020 en el Estado de Paraná, Brasil. Ciencias Sociales Y Religión/Ciências Sociais E Religião, 23(00), e021026. https://doi.org/10.20396/csr.v23i00.15804

Número

Sección

Artículos

Artículos más leídos del mismo autor/a

1 2 > >>