El lugar del otro en las intolerancias

raza, etnia y género como marcadores de las (in)expresiones de fe y religiosidad

Autores/as

  • Kristine Kelly de Albuquerque Centro Universitário Vale do Ipojuca

DOI:

https://doi.org/10.20396/csr.v22i00.13322

Palabras clave:

Etnia, Género, Religiónes, Interseccionalidad

Resumen

El presente trabajo tiene como objetivo reflexionar sobre la raza, el origen étnico y el género, de manera interseccional, y sobre las repercusiones de estos en las representaciones y experiencias religiosas, a nivel individual y colectivo. La importancia del tema radica en el hecho de que las categorías mencionadas, cuando se relacionan con las identidades sociales, manifiestan formas específicas de discriminación, por lo que son esenciales para un análisis sociocultural crítico. Aún así, los estudios sobre prácticas religiosas, en el ámbito de las ciencias sociales, revelan caras importantes con respecto a las representaciones sociales marcadas por los discursos legitimadores de poder, que se presentan en las relaciones y prácticas cotidianas de violaciones de derechos. Por lo tanto, la propuesta lanzada es analizar cómo estas categorías afectan las prácticas de dos religiones específicas, a saber, las que pertenecen a la matriz africana y al Islam. Con este fin, se presentará una perspectiva sociohistórica de ambas religiones, así como las definiciones conceptuales de las categorías analizadas. Finalmente, se presentarán los efectos interactivos de estos en las experiencias religiosas.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Kristine Kelly de Albuquerque, Centro Universitário Vale do Ipojuca

Licenciada en Psicología por el Centro Universitário Vale do Ipojuca (Unifavip).

Citas

ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 3. ed. – Lisboa: Edições 70, 2007.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: fatos e mitos. – 4a ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1960.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

CAMPOS, Deivison Moacir Cezar de. Fronteiras da Tolerância: etnicidade, gênero e religião. In: UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL (Org.). Sociedade e Contemporaneidade. Canoas, Rio Grande do Sul: ULBRA, 2016, p. 120-143.

CAMPOS, Isabel Soares; RUBERT Rosane Aparecida. Religiões de matriz africana e a intolerância religiosa. Cadernos do LEPAARQ, Pelotas, v. 11, n. 22, p. 293-307, 2014.

CARVALHO, Juliana Barros Brant; BAIRRÃO, José Francisco Miguel Henriques. Umbanda e Quimbanda: alternativa negra à moral branca. Psicologia USP, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 1-11, 2019.

CHAGAS, Luciana Zamprogne. Sob o véu do preconceito: uma análise das mulheres e da sociedade islâmica pela obra de Marjane Satrapi. Protestantismo em Revista, São Leopoldo, RS, v. 27, p. 64-76, jan.∕abr. 2012.

COGGIOLA, Osvaldo. Islã histórico e islamismo político. São Paulo: Instituto de cultura árabe, 2007.

CRENSHAW, Kimberlé W. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n.1, p. 171-188, jan.∕jun. 2002.

FERNANDES, Nathalia Vince Esgalha. A raiz do pensamento colonial na intolerância religiosa contra religiões de matriz africana. Em: Revista Calundu. Vol 1, n .1, jan-jun 2017. p.117-136.

FRANCO, Clarissa de. Feminismo islâmico face ao feminismo secular: uma nova consciência de gênero de um oriente que rejeita a ocidentalização. Revista Último Andar, São Paulo, n. 27, p. 84-92, 2016.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. – São Paulo: Atlas, 2010.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11a Ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora. 2006.

LIMA, Raphael Souza. A sociedade folclórica de Pernambuco e o xangô: espetacularização das religiões afro-pernambucanas no pós-Estado Novo. Anais do XII Encontro Estadual de História da ANPUH-PE. p. 1-14. 2018.

L’ODÒ, Alexandre L’Omi. A Jurema Sagrada – resiliente religião de matriz indígena do Nordeste do Brasil. Revista Senso, Belo Horizonte:MG, v. 2, ed. 11, junho-julho. 2019.

MAHMOOD, Saba. Teoria feminista, agência e sujeito liberatório: algumas reflexões sobre o revivalismo islâmico no Egipto. Etnográfica, Lisboa, v. 10, n. 1, p. 121-158, maio. 2006.

MARIANO, Ricardo. Pentecostais em ação: a demonização dos cultos afro-brasileiro. In: SILVA, Wagner Gonçalves (Org.). Intolerância religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: Editora da universidade de São Paulo, 2007, p. 119-147.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Afrorreligiosidade na mira do racismo. Correio Brasiliense / DF – Opinião - pág.: A11. Seg., 3 de Março de 2014.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Intolerância ou racismo?. Hora Grande. Outubro de 2016 - ano XXI - edição 167.

OLIVEIRA, Ariadne Moreira Basílio. Modernidade, raça e intolerância: direitos humanos na encruzilhada. Em: Anais Encontro da ANDHEP - Direitos humanos, sustentabilidade, circulação global e povos indígenas. Vitória (ES). 2016. p. 144-160.

OLIVEIRA, Ariadne Moreira Basílio. A experiência de falar sobre as religiões afro-brasileiras. In: Revista Calundu. Vol.1, n.1, jan-jun 2018. p. 142-146.

ORO, Ari Pedro. Neopentecostais e Afro-brasileiros: quem vencerá esta guerra? Debates do NER, Porto Alegre, ano 1, n. 1, Novembro de 1997. p. 10-36.

PUFF, Jefferson. Por que as religiões de matriz africana são o principal alvo de intolerância no Brasil? BBC Brasil, Rio de Janeiro, 21 de janeiro de 2016.

SAID, Eward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTOS, Claudia. A mulher no Oriente Médio e o Feminismo Islâmico. Conjuntura Global, Curitiba, v. 3, n. 4, p. 210-217, out.∕dez. 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma Concepção Multicultural dos Direitos Humanos. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 7-34, jan.∕jun. 2001.

SERRA, Ordep. Os Olhos Negros do Brasil. Salvador: EDUFBA, 2014.

SILVA Jr., Hédio. Intolerância Religiosa e Direitos Humanos. In: SANTOS, Ivanir dos; ESTEVES FILHO, Astrogildo (orgs). Intolerância Religiosa X Democracia. 1a edição. Rio de Janeiro: CEAP, 2009, p. 205-216.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Concepções religiosas afro-brasileiras e neopentecostais: uma análise simbólica. Revista USP, São Paulo, n.67 setembro/novembro 2005. p.150-175.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Neopentecostalismo e Religiões afro-brasileiras: significados dos ataques aos símbolos da herança religiosa africana no Brasil contemporâneo. In: MANA 13(1): 207-236, 2007.

SILVA, Maria Aparecida Lima; SOARES, Rafael Lima Silva. Reflexões sobre os conceitos de raça e etnia. Entrelaçando – Revista Eletrônica de Culturas e Educação (Caderno Temático II: Educação e Africanidades), Bahia, v. 2, n. 4, p. 99-115, nov. 2011.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez. 1990.

TRAMONTE, Cristiana. Religiões Afro-Brasileiras: direitos, identidades, sentidos e práticas do “povo de santo”. In: FLEURI, Reinaldo Matias; OLIVEIRA, Lilian Blanck de; HARDT, Lúcia Schneider; CECCHETTI, Elcio; KOCH, Simome, Riske. (Orgs.). Diversidade Religiosa e Direitos Humanos: conhecer, respeitar e conviver. Blumenau: Edifurb, 2013, p. 101-116.

Publicado

2020-03-09

Cómo citar

Albuquerque, K. K. de. (2020). El lugar del otro en las intolerancias: raza, etnia y género como marcadores de las (in)expresiones de fe y religiosidad. Ciencias Sociales Y Religión/Ciências Sociais E Religião, 22(00), e020006. https://doi.org/10.20396/csr.v22i00.13322

Número

Sección

Artículos