La Iglesia católica y el mantenimiento del claustro en el siglo XXI

algunas preguntas para reflexionar

Autores/as

  • Leandra Bento da Silva Universidad Federal de Campina Grande
  • Mércia Rejane Rangel Batista Universidad Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.20396/csr.v20i28.12377

Palabras clave:

Iglesia Católica, Clausura, Brasil, Siglo XXI

Resumen

A mediados del siglo XXI, un escenario en el que existe una pluralidad religiosa con diferentes formas de experimentar la religiosidad, nos enfrentamos a la persistencia de las instituciones religiosas totales, algo que parece referirse a un legado del período colonial brasileño. A partir de esta observación, tratamos de reflexionar sobre el significado de la vida en el claustro en los tiempos contemporáneos. Por lo tanto, en vista de las múltiples posibilidades de investigación y escritura sobre este tema, en el espacio de este artículo, nos dedicamos a reflexionar sobre las razones de la permanencia de la institución de clausura en Brasil, destacando el trabajo de la Iglesia católica y la idea de vocación, eligiendo el Monasterio de Santa Clara como sitio de investigación, ubicado en la ciudad de Campina Grande - PB.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Leandra Bento da Silva, Universidad Federal de Campina Grande

Doctor en Ciencias Sociales por la Universidad Federal de Campina Grande (UFCG).

Mércia Rejane Rangel Batista, Universidad Federal de Campina Grande

Doctor en Antropología Social por el Museo Nacional / Universidad Federal de Río de Janeiro (UFRJ). Profesor adjunto de la Universidad Federal de Campina Grande (UFCG).

Citas

ALGRANTI, L. M. Honradas e devotas: mulheres da colônia. Estudo sobre a condição feminina através dos conventos e recolhimentos do Sudoeste - 1750-1822. Tese de doutoramento apresentada ao Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1992.

BERGER, P. L. Rumor de Anjos: A sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural. Petrópolis: Vozes,1996.

BOURDIEU, P. Trabalhos e projetos. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, P. Gênese e Estrutura do Campo Religioso. In: A Economia das Trocas Simbólicas. Introdução, organização e seleção Sergio Micele. São Paulo: Perspectiva, 2011.

CARVALHO, J. J. de. Um espaço público encantado. Pluralidade religiosa e modernidade no Brasil. Série Antropologia. UnB: Brasília, 1999.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

FERREIRA, M. S. Polissemia do conceito de instituição: diálogos entre Goffman e Foucault. In: Estudos contemporâneos da subjetividade. Volume 2, número 1, 2012.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2014.

FREYRE, G. Casa-Grande e senzala. Rio de Janeiro: Record, 1997.

GARCIA, M. V. Liberdade em clausura: trajetórias pessoais e religiosas de monjas Carmelitas Descalças.

Dissertação apresentada a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestrado em Ciências da Religião. São Paulo, 2006.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1961.

GUERRA, L. D. Mercado religioso no Brasil: Competição, demanda e a dinâmica da esfera da religião. João Pessoa: Ideia, 2003.

GROSSI, M. P. Conventos e celibato feminino entre camponesas do Sul do Brasil. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 1, n.1, p. 47-60, 1995.

HERVIEU-LÉGER, D. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis: Vozes, 2008.

LEONEL, G. G. Campo religioso brasileiro na contemporaneidade: continuidades, descontinuidades, transformações e novos ângulos de análise. In: Interseções, Rio de Janeiro, v. 12 n. 2, p. 382-407, dez. 2010.

MESCHIATTI, J. E. Trabalhadores da vinha: estudo sobre a formação do clero – o Seminário Católico antes e depois do Concílio Vaticano II. – Campinas, SP: [s.n.], 2007.

MONTEIRO, D. T. Um confronto entre Juazeiro, Canudos e Contestado. In: FAUSTO, B. (Org.). História geral da civilização. Tomo III: O Brasil republicano. Sociedade e instituições.. Rio de Janeiro – São Paulo: Difel, 1978.

MONTES, M. L. As figuras do sagrado: entre o público e o privado na religiosidade brasileira. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

OLIVEIRA, J. L. M. de. Viver os votos em tempos de pós-modernidade. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

REDFIELD, R. “A “Sociedade de Folk” e a cultura”. In: PIERSON, D. (Org). Estudos de Organização Social. Tomo II. São Paulo, Martins, 1970.

RIBEIRO, J. C. Georg Simmel, Pensador da Religiosidade Moderna. In: Revista de Estudos da Religião, no 2 , 2006, pp. 109-126.

RODRIGUES, D. D. O Reino da Solidão. Uma etnografia da vida em clausura das monjas Carmelitas Descalças. Dissertação apresentada no Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. 17 de fevereiro de 1995.

SILVA, L. B. da. Tensões e disputas em torno da devoção ‘popular”: A Cruz da Menina em Patos – PB. Dissertação apresentada no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Campina Grande. 2012.

SIMMEL, G. Religião: ensaios. volume 1/2. São Paulo: Olho d’Água, 2010.

SIMMEL, G. As grandes cidades e a vida do espírito (1903). Revista Mana, Rio de Janeiro. V.1, n.2, 2005.

STEIL, C. A. Pluralismo, modernidade e tradição: transformações do campo religioso. In: Ciencias Sociales y Religión Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 115-129, 2001.

TOMÉ, D. C., QUADROS, R. dos S. e MACHADO, M. C. G. A educação feminina durante o Brasil colonial. In: Anais da Semana de Pedagogia da UEM. Volume 1, Número 1. Maringá: UEM, 2012.

WEBER, M. A ética protestante e o “espírito do capitalismo”. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Publicado

2018-07-01

Cómo citar

Silva, L. B. da ., & Batista, M. R. R. . (2018). La Iglesia católica y el mantenimiento del claustro en el siglo XXI: algunas preguntas para reflexionar. Ciencias Sociales Y Religión/Ciências Sociais E Religião, 20(28), 15–32. https://doi.org/10.20396/csr.v20i28.12377