Dois Amores
PDF

Palavras-chave

Homossexualidade Feminina
Tríbades
Roma antiga

Como Citar

VIEIRA, Júlia França Sales; RANUCI, Maria Eduarda Alves; SELVATICI, Mônica. Dois Amores: as Tríbades da Roma Antiga. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, SP, v. 41, n. 00, p. e024005, 2024. DOI: 10.53000/cpa.v41i00.18683. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cpa/article/view/18683. Acesso em: 18 jul. 2024.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo trazer um estudo sobre as Tríbades, nomenclatura utilizada durante a Roma Antiga para designar relações amorosas entre mulheres no Império Romano,  com o intuito de apresentar a forma na qual as relações homoeróticas femininas eram interpretadas, assim como também as diferenças de seu tratamento pela sociedade em comparação com as relações homoeróticas masculinas, e através do auxílio da obra Amores de Luciano de Samósata, na qual sua história, contemporânea do período que é objetivado neste trabalho, retrata as ideias e costumes da época perante o assunto, nos ajudará a conclusão deste estudo.

https://doi.org/10.53000/cpa.v41i00.18683
PDF

Referências

Fontes

ARISTÓTELES. Política. 6a Edição. São Paulo: Martin Claret, 2001.

SAMÓSATA, Luciano de. [Dois] Amores. In: Luciano [II]. Traducão do grego, introducão e notas de Custodio

Magueijo. Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012. Disponível em :http://hdl.handle.net/10316.2/9727. Acesso em: 04 de Abril de 2023.

Bibliografia

ALMEIDA, Silvio Luiz. O Que é Racismo Estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BOEHRINGER, Sandra. L’Homosexualitéfémininedansl’Antiquitégrecque et romaine, Paris: LesBellesLettres, 2007.

DOVER, Kenneth J. A Homossexualidade na Grécia Antiga. 1ª ed., São Paulo: Nova Alexandria, 1994.

FEITOSA, Lourdes C. Gênero e sexualidade no mundo romano: A Antiguidade em Nossos Dias. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 48/49, p. 119-135, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 2: O Uso dos Prazeres. 8a Edição. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

FUJIKAWA, Mariana. É a Homossexualidade Eterna? Uma Genealogia a Partir de Michel Foucault e David Halperin. Revista Eletrônica Discente História.com, Cachoeira, v. 6, n. 12, p. 56-66, 2019. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/historiacom/article/view/1388. Acesso em: 05 de abril de 23.

FUNARI, Pedro P. A. Identidades fluídas. In: NOGUEIRA, P. A. S.; FUNARI, P. P. A.; COLLINS, J. J. (Orgs.). Identidades fluídas no Judaísmo antigo e no Cristianismo primitivo. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2010, p. 11-14.

LEITE, Letticia Batista Rodrigues. Homossexualidade feminina na Antiguidade? Ensaios em torno dos trabalhos de Sandra Boehringer. Disponível em: https://revista.classica.org.br/classica/article/view/92. Acessado em: 04 de abril de 2023.

RIBEIRO JR, Benedito Inácio. O Homoerotismo no Satyricon: Repensando a(s) Masculinidade(s) em Roma (54-68 d. C.). Disponível em: http://www.encontro2012.sp.anpuh.org/resources/anais/17/1343913489_ARQUIVO_OhomoerotismonoSatyricon.pdf. Acessado em: 05 de abril de 23.

SILVEIRA, Andrieli; CAMPOS, Rafael da Costa. Homoerotismo Feminino na Literatura Romana: Uma Análise da Controvérsia Em [Dois] Amores, De Pseudo-Luciano. Disponível em: https://periodicos.unipampa.edu.br/index.php/SIEPE/article/view/100458. Acessado em: 05 de abril de 2023.

SPETH, Nicole. FemaleHomoeroticism in the Roman Empire: HowManyLicks Does it Take toGettotheDisruptionofthePhallocentric Model ofSexuality?. Disponível em: https://www.hofstra.edu/pdf/library/nicole_speth.pdf. Acessado em: 05 de abril de 23.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade

Downloads

Não há dados estatísticos.