Gênero, teoria social e antiguidade
PDF

Palavras-chave

Castração
Gênero
Masculinidades
Escravidão romana
Teoria social

Como Citar

SILVA, Filipe Noé da; FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Gênero, teoria social e antiguidade: uma leitura sobre os castrados no Império Romano. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, SP, v. 40, n. 00, p. e023005, 2023. DOI: 10.53000/cpa.v40i00.18264. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cpa/article/view/18264. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

Com o intuito de discutir a importância das teorias sociais para o estudo da Antiguidade, o presente artigo utiliza o conceito de gênero para um estudo específico sobre os homens castrados no Império Romano. Nesta empreitada, por um lado, são destacadas questões referentes à hierarquização das masculinidades dos indivíduos escravizados e que foram submetidos à prática da castração. Por outro lado, enfatiza-se a importância da documentação epigráfica para uma compreensão mais acurada a respeito dos castrados.

https://doi.org/10.53000/cpa.v40i00.18264
PDF

Referências

A) Documentação Antiga

BÍBLIA. Novo Testamento. Os quatro evangelhos. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

GALENO. Del uso de las partes. Madrid: Biblioteca Clásica Gredos, 2010.

GARCÍA DEL CORRAL, Ildefonso. Cuerpo del Derecho Civil Latino. Castellano-Latino. Primera Parte. Instituta-Digesto. Barcelona: Jaime Molina Editor, 1889.

HESIOD. Theogony. Works and days. Testimonia. Edited and Translated by: Glenn W. Most. Loeb Classical Library. Harvard: University Press, 2006.

ISIDORO DE SEVILHA. Etimologías. Edición Bilíngue. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 2004.

MARCIAL. Epigramas. Tradução de Delfim Ferreira Leão, José Luís Brandão e Paulo Sérgio Ferreira. Lisboa: Edições 70, 2000.

OLIVA NETO, João Angelo. O livro de Catulo. Tradução comentada dos poemas de Catulo. São Paulo: EDUSP, 1996.

PLÍNIO EL VIEJO. Historia Natural. Libros VII-XI. Madrid: Biblioteca Clásica Gredos, 2003.

PLINY. Natural History. Vol. III. Libri VIII-XI. Loeb Classical Library. Cambridge, Massachussets: Harvard University Press, 1940.

SANTO AGOSTINHO. Explicação de algumas proposições da Carta aos Romanos; Explicação da Carta aos Gálatas; Explicação incoada da Carta aos Romanos. Coleção Patrística. Vol. 25. São Paulo: Editora Paulus, 2009.

SUETONIUS. The Life of Caesars; The lives of illustrious men. Vol. II. Loeb Classical Library. Harvard: University Press, 1924.

B) Bibliografia

BEARD, Mary; NORTH, John; PRICE, Simon. Religions of Rome. Volume I: A History. Cambridge: University Press, 1998.

BEARD, Mary; NORTH, John, PRICE, Simon. Religions of Rome. Volume II: A Sourcebook. Cambridge: University Press, 1998.

CANTARELLA, Eva. Segun natura. La bisexualidad en el mundo antiguo. Madrid: Ediciones Akal, 1991.

CONNELL, Robert. Masculinities. Knowledge, power and social change. Berkeley: University of California Press, 1995.

CONNELL. Robert. "La organización social de la masculinidad". Isis Internacional. Ediciones de las Mujeres, n. 24, 1997. p. 164-183.

ERNOUT, Alfred; MEILLET, Alfred. Dictionnaire Étymologique de la Langue Latine. Histoire des mots. Paris: Klincksieck, 2001.

FEITOSA, Lourdes Conde. Amor e Sexualidade. O masculino e o feminino nos grafites de Pompéia. São Paulo: Editora Annablume, 2005.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade. Volume II. O uso dos prazeres. São Paulo: Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade. Volume I. A vontade de saber. São Paulo: Edições Graal/ Paz e Terra, 1988.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; OMENA, Luciane Munhoz. Lamento e dor: tradução do epitáfio de Lúcio Trébio Divo (Séc. III-IV d.C.). Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade. Nº 29. Campinas. 2015. p.195-206.

GLARE, P.G.W. Oxford Latin Dictionary. Oxford: Clarendon Press, 1968.

GROTHAUS, Helke Kammerer. Camere sepolcrali de’ Liberti e Liberte di Livia Augusta ed altri Caesari. Mélanges de l’École française de Rome. Tome 91, N 01. p.315-342.

JOEL, Daphna. Beyond sex differences and a male-female continuum: Mosaic brains in a multidimensional space. Handbook of Clinical Neurology. Volume 175, p. 13-24.

KLÖCKNER, Anja. Tertium genus? Representations of religious practitioners in the cult of Magna Mater. De Gruiter, 2017. p.343-384.

KUEFLER, Mathew. The manly eunuch. Masculinity, gender ambiguity, and Christian ideology in Late Antiquity. Chicago/London: University of Chicago Press, 2001.

MICKENS, Leah. “Theology of the Old Body: The Castrati, the Church, and the Transgender Movement.” In Free Inquiry - The Journal of the Council for Secular Humanism. Vol. 35, No. 5 (July 2015).

PINTO, Renato. Duas rainhas, um príncipe e um eunuco: gênero, sexualidade e as ideologias do masculino e do feminino nos estudos sobre a Bretanha Romana. Tese de doutorado apresentada ao IFCH/Unicamp. Campinas, 2011.

PINTO, Renato. O ‘crime’ da homossexualidade no exército e as representações da masculinidade no Mundo Romano. In: CARLAN, C. U.; FUNARI, P. P. A.; CARVALHO, M. M.; SILVA, E.C.M. (Orgs.). História Militar do Mundo Antigo: Guerras e Cultura. Volume III. São Paulo: Editora Annablume, 2012A. p. 109-132.

PINTO, Renato. Museus e diversidade sexual. Reflexões sobre mostras LGBT e Queer. Revista de Arqueologia Pública. Nº 05. Campinas: Laboratório de Arqueologia Pública Paulo Duarte (LAP/NEPAM/Unicamp), 2012B. p. 44-55.

PINTO, Renato; PINTO, Luciano C.G. Corpos emasculados, corpos sagrados: dos sacerdotes de Cibele ao Travesti de Catterick. In: FUNARI, P.P.A; MARQUETTI, F.(Orgs). Corpo a corpo. Representações antigas e modernas das figuras humanas. São Paulo: Editora FAP/ Unifesp, 2014. p. 109-131.

ROLLER, Lynn E. The ideology of the Eunuch Priest. In : WYKE, Maria (Ed). Gender and the body in the Ancient Mediterranean. Oxford: Blackwell Publishers, 1998. p.118-135.

ROSCOE, Will. Priests of the Goddess: Gender Transgression in Ancient Religion. History of Religions. Vol. 35, Nº03. Feb. 1996. p.195-230.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Nº 20, v. 02. Jul/Dez de 1995. p. 71-99.

SERBAT, Guy. Introducción general. In: PLÍNIO EL VIEJO. Historia Natural. Libros I-II. Madrid: Editorial Gredos, 1995. p.07-199.

SILVA, Glaydson José. Aspectos de cultura e gênero na Arte de Amar de Ovídio e no Satyricon, de Petrônio: representações e relações. Dissertação de Mestrado apresentada ao IFCH/Unicamp. Campinas, 2001.

SILVA, Semíramis Corsi. ‘Por que de Galo, então, chamamos quem se castra?’ Interseccionalidade em representações de sacerdotes castrados no Império Romano. Revista Mare Nostrum. Vol.11, Nº01, 2020. p.281-316.

SURTEES, Allison; DYER, Jennifer. Exploring gender diversity in the Ancient World. Edinburgh: University Press, 2020.

TOUGHER, Shaun. The Roman Castrati: Eunuchs in the Roman Empire. London: Blommsbury Academic, 2021.

VERMASEREN, Maarteen Jozef. Cybele and Attis: The Myth and the Cult. London: Thames & Hudson, 1977.

VEYNE, Paul. Sexo & Poder em Roma. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2008.

WILLIAMS, Craig Arthur. Roman Homosexuality. Ideologies of Masculinity in Classical Antiquity. Oxford: University Press, 1999.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade

Downloads

Não há dados estatísticos.