Arqueologia, história e antiguidade próximo-oriental
PDF

Palavras-chave

Arqueologia
História Antiga
Mesopotâmia
Antiguidade Próximo - Oriental
Estudos pós-coloniais

Como Citar

TARDELI, Ana Beatriz Martins; BONFÁ, Douglas Cerdeira. Arqueologia, história e antiguidade próximo-oriental: reflexões pós-coloniais a partir do filme Eternos, da Marvel Studios. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, SP, v. 27, n. 39, p. 15–50, 2023. DOI: 10.53000/cpa.v27i39.17425. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cpa/article/view/17425. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

A proposta aqui é retraçar os caminhos que deram origem à institucionalização das disciplinas ‘Arqueologia’ e ‘História Antiga’ e destacar como suas teorias e metodologias foram se diversificando dependendo do contexto social no qual estavam sendo realizadas e pensadas. Para tanto, é explicitado o período que se configura do século XIX ao XX, quando o Imperialismo e o Nacionalismo estavam em voga e acabaram por fundamentar preceitos e atitudes ante os estudos histórico e arqueológico dos locais ‘subalternizados’, a saber: continentes asiático, africano e latino-americano. Assim, é realizado um estudo de caso voltado para a antiga Mesopotâmia a partir do filme ‘Eternos’, de produção da Marvel Studios, salientando narrativas imperialistas e demonstrando a importância de se analisar documentos/monumentos através de uma chave de leitura crítica, utilizando fontes da Antiguidade.

https://doi.org/10.53000/cpa.v27i39.17425
PDF

Referências

ANTEQUERA, R. A. O. M. Do templo ao palácio: representações da cidade suméria através da “Lista Real Suméria” durante o Dinástico Primitivo (2900-2334 A.C.). Franca, 2015.

ARRUDA, L.P.; JUNIOR, D. N. F. Estudos pós-coloniais e decoloniais: uma perspectiva comparativa entre o Orientalismo de Edward Said e os estudos decoloniais. In: Orientalismo Conectado, LAPHIS – Laboratório de Aprendizagem Histórica da UNESPAR Leitorado Antiguo – UPE Projeto Orientalismo, 2019.

BONFÁ, D. C. Antiguidade, identidade e os usos do passado. Revista De Estudos Filosóficos E Históricos Da Antiguidade, 21(30), 2017.

BONFÁ, D. C., & MATOS, K. B. de S. Antiguidade em contexto: os usos do passado e suas intencionalidades. Revista De Estudos Filosóficos E Históricos Da Antiguidade, 27(37/38), 94–109, 2022.

BOTTÉRO, Jean; MORRISON, Ken (orgs.). Cultura, Pensamento e Escrita. São Paulo, Ática, 1995.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Antiguidade Oriental, Política e Religião. São Paulo: Contexto, 1990.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Sociedades do Antigo Oriente Próximo. São Paulo: Editora Unicamp, 1986.

DÍAZ-ANDREU, Margarita Arqueologia crítica e humanista. São Paulo: Fonte Editorial, 2019.

ETERNOS. Direção: Chloé Zhao. Produção: Kevin Feige. Roteiro: Chloé Zhao; Patrick Burleigh; Ryan Firpo; Matthew K. Firpo. Fotografia de Ben Davis. Disney+: Marvel Studios, 2021. Disponível em: https://www.disneyplus.com/pt-br/movies/eternos/5cmhJAtkt6Jk. Acesso em: 8 nov. 2022.

FUNARI, Pedro Paulo A, BERNAL, Martin, CANFORA, Luciano, OLIVER, Laurent. Repensando o Mundo Antigo. Editora Unicamp, 2005.

FUNARI, Pedro Paulo A. Antiguidade Clássica: A História e a Cultura a partir de documentos. Editora Unicamp, 2003.

FUNARI, Pedro Paulo A. Arqueologia e Patrimônio. Editora Habilis, Erechim RS, 2007.

FUNARI, Pedro Paulo, TEGA, Glória. Arqueologia, do Imperialismo à Inclusão Social. Expressa Extensão, Pelotas, p. 17-27, 2014.

GUARINELLO, Norberto Luiz. História Antiga. Coleção História na Universidade. Editora Contexto. São Paulo, 2013.

HINGLEY, Richard. O Imperialismo Romano - novas perspectivas a partir da Bretanha. UFPR/UNICAMP/CAPES/ ANNABLUME, São Paulo, 2010.

KIOSSESKI, Caroline dos Santos. Painel com leão em posição de marcha. Https://www.ufrgs.br/leao/, 20 set. 2021. Disponível em: https://www.ufrgs.br/leao/. Acesso em: 9 nov. 2022.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUC-Rio, 2006.

LION, Brigitte. La notion de genre en assyriologie In : Problèmes du genre en Grèceancienne [en ligne]. Paris : Éditions de la Sorbonne, 2007 (généré le 10 mars 2012).Disponible sur Internet: http://books.openedition.org/psorbonne/33244. ISBN :9791035101862. DOI : https://doi.org/10.4000/books.psorbonne.33244

MAY, Natalie. “Triumph as an Aspect of the Neo-Assyrian Decorative Program”. In: WILHELM, Gernot (org.). Organization, Representation, and Symbols of Power in the Ancient Near East. Winona Lake: Eisenbrauns, 2012, p. 475.

PAYEN, Pascal. A constituição da história como ciência no século XIX e seus modelos antigos: fim de uma ilusão ou futuro de uma herança? Tradução Gustavo de Azambuja Feix; revisão: Emanuella Gonçalves, revisão de tradução: Patrícia Chittoni Ramos Reuillard; revisão técnica: Temístocles Cezar. Periódico História da Historiografia 103 - 122, Ouro Preto, 2011.

POZZER, Kátia Maria Paim. Cidades Mesopotâmicas: história e representações. O mundo urbano – espaço profano e sagrado. In: Revista Anos 90. Volume 10, No 17. 2003. p.61-73.

ROCHA, Ivan Esperança. Mario Leviani: a trajetória de um orientalista. In: SILVA, Glaydson José da; CARVALHO, Alexandre Galvão (orgs.). Como se escreve a História da Antiguidade: olhares sobre o antigo. São Paulo: Editora Unifesp, 2020. pp. 479-486.

SAID, E. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SILVA, Glaydson José. História Antiga e Usos do Passado: um estudo de apropriações da Antiguidade sobre o regime de Vich (1940 - 1944). Tese de doutorado. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2007.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade

Downloads

Não há dados estatísticos.