Afrodite zeídōros
PDF

Palavras-chave

Philotes
Afrodite
Zeídōros
Vida

Como Citar

CABRAL, Izabela Silva. Afrodite zeídōros: um estudo sobre funções e expressões de Philotes, segundo Empédocles. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, SP, v. 27, n. 39, p. 51–83, 2023. DOI: 10.53000/cpa.v27i39.17411. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cpa/article/view/17411. Acesso em: 24 abr. 2024.

Resumo

Os quatro elementos, terra, água, ar e fogo são denominados por Empédocles de quatro raízes. Segundo ele, são essas quatro raízes que constituem e originam todas as coisas existentes. São elas a origem e o princípio de tudo quanto existe. Entretanto, dois princípios fundamentais operam diretamente sobre elas: Philotes e Neikos, o primeiro é identificado à deusa Afrodite, em versos que descrevem sua função na articulação e organização dos seres vivos. Logo, Empédocles apresenta o desenvolvimento do mundo e de tudo o que existe nele, através de seis princípios originários em um ciclo que flui eternamente. A finalidade deste artigo é investigar a função de Philotes nos seres organizados, ou seja, na fase mundana do ciclo cósmico, na expressão mítica dos trabalhos da deusa Afrodite, que também recebe os nomes de Alegria, Harmonia e Cipris.

https://doi.org/10.53000/cpa.v27i39.17411
PDF

Referências

Fontes:

ARISTÓTELES. Metafísica. Texto grego com tradução de Giovanni Reale. Trad. Marcelo Perine. Vol II. São Paulo: Loyola, 2001.

HESÍODO. Teogonia. Trad. Jaa Torrano. 3 ed. São Paulo: Iluminuras, 1995.

HOMERO. Ilíada. Trad. Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

HOMERO. Odisséia. Trad. Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Hedra, 2011.

LAÉRTIOS, Diógenes. Vida e Doutrina dos Filósofos Ilustres. Tradução de Mário da Gama Kury. Brasília: Editora da UNB, 1988.

SOUZA, José Cavalcante. (org. e trad.). Os Filósofos Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Editora Abril Cultural, 1973.

Bibliografia:

AFONASINA, Anna S. (АФОНАСИНА, Анна, Сергеевна). The birth of harmony out of the spirit of tekhe. ΣΧΟΛΗ, v. 6, n. 1, 2012, p. 68-75.

ANTUNES, C. L. B. 26 Hinos Homéricos. Cadernos de Literatura em Tradução, n. 15, p. 13- 24,2015. DOI: 10.11606/issn.2359-5388.i15p13-24. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/clt/article/view/114362. Acesso em: 20 dez. 2021.

ANTUNES, Leonardo. Hino Homérico 3, a Apolo. Neolympikai, 2017.Disponível em: http://neolympikai.blogspot.com/2017/01/hino-homerico-3-vv-1-178-apolo-delio.html?m=1. Acesso em: 03 abr. 2022.

ANTUNES, Leonardo. Hino Homérico 5, a Afrodite. Neolympikai, 2014. Disponível em: http://neolympikai.blogspot.com/2014/05/hino-homerico-5-afrodite.html?m=1. Acesso em: 03 abr. 2022.

BERNABÉ, Alberto. Platão e o Orfismo: Diálogos entre religião e filosofia. São Paulo, Annablume, 2011.

BIGNONE, Ettore. Empedocle : Studio critico, traduzione e commento dele testimonianze e dei frammenti. Turin: Fratelli Bocca, 1916.

BOLLACK, Jean. Empédocle, 4 vols. Paris, 1965-1969.

BURKERT, Walter. A Criação do Sagrado. Tradução de Vitor Silva. Lisboa: Edições 70, 1996.

BURKERT, Walter. A Religião Grega na Época Clássica e Arcaica. Tradução de M.J. Simões Loureiro. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

BURKERT, Walter. Antigos Cultos de Mistério. Tradução de Denise Botman. São Paulo: EDUSP, 1991.

BURNET, John. Early Greek Philosophy. 3rd ed. London: A. and C. Black, 1920.

BURNET, John. O Despertar da Filosofia Grega. Tradução de Mauro Gama. São Paulo: Siciliano, 1994.

BURNS, Jonathan. Os Filósofos Pré-Socráticos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BUTLER, Edward, P. Perceiving Aphrodite: Empedoclean Metaphysics. Walking the Worlds, v.4, n.2, 2018, p. 40-53.

CORNFORD, F.M. Principium Sapientiae: as origens do pensamento filosófico grego. Tradução de Maria Manuela Rocheta dos Santos. Prefácio de W. K. C Guthrie. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1981.

CORRÊA, Paula da Cunha. Harmonia: Mito e Música na Grécia Antiga. São Paulo: Humanitas, 2003.

CURD, Patricia. Powers, Structure, and Thought in Empedocles. Rhizomata, 4(1), 2016, p. 55-79.

CURD, Patricia. Where Are Love and Strife? Incorporeality in Empedocles. In: McCOY, Joe. (ed.) Early Greek Philosophy. The Presocratics and the Emergence of Reason. Washington, D.C.: The Catholic University of America Press, 2013. (Studies in Philosophy and the History of Philosophy vol 57).

DETIENNE, Marcel. Os Mestres da Verdade na Grécia Antiga. Tradução de Andréa Daher. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

DIELS, Hermann. Poetarum Philosophorum Fragmenta. Berlim, 1901.

DODDS, E.R. Os Gregos e o Irracional. Tradução de Paulo Domenech Oneto. São Paulo: Escuta, 2000.

GAZZINELLI, Gabriela Guimarães (org,). Fragmentos Órficos. Tradução e organização. Belo Horizonte: Ed.UFMG, 2007. Revisão Técnica de Jacira de Freitas. Caracteres gregos e transliteração de Zélia de Almeida Cardoso. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

GUTHRIE. Os Filósofos Gregos: de Tales a Aristóteles. Tradução de Maria José Vaz Pinto. Lisboa: Editorial Presença, 1987.

HADOT, Pierre. O que é Filosofia Antiga. Tradução de Dion Davi Macedo. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

INWOOD, Brad. The Poem of Empedocles. (Revised Edition). Toronto: University of Toronto Press, 2001.

KIRK, G.S, RAVEN, J.E e SCHOENFIELD. Os Filósofos Pré Socráticos. Tradução de Carlos Alberto L. Fonseca. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1990.

LAKS, Andre. Introdução à “Filosofia Pré-Socrática. Tradução de Miriam Campolina Diniz Peixoto. São Paulo: Paulus, 2013.

LAKS, André; MOST, Glenn W. (eds). Early Greek Philosophy. Volume I: Introductory and Reference Materials. Harvard: Harvard University Press, 2016. (Loeb Classical Library 524.)

LAKS, André; MOST, Glenn W. (eds). Early Greek Philosophy. Volume V: Western Greek Thinkers, Part 2. Harvard: Harvard University Press, 2016. (Loeb Classical Library 528). (Empédocles: Capítulo 22, p. 317-733.)

LONG, A. A. Primórdios da Filosofia Grega. Tradução de Paulo Ferreira. Aparecida,São Paulo: Idéias e Letras 2008.

LAKS, André; MOST, Glenn W. Les débuts de la philosophy: Des premiers poseurs grecs à Socrate. Textes édités, réuniset traduits par André Laks et Glenn W. Most, avec la collaboration de Gérard Journée et David Lévystone. Paris: Fayard, 2016. (Empédocles: Capítulo 22, p. 659-819.)

MARTIN, Alain; PRIMAVESI, Oliver. L’Empédocle de Strasbourg. (P.Strasb. Gr. Inv. 1665-1666). Introduction, édition et commentaire. Strasbourg: Bibiothèque Nationale et Universitaire de Strasbourg; Berlin / New York: Walter de Gruyter, 1999.

MARTINICH, Ensaio filosófico: o que é, como se faz. Tradução de Adail U. Sobral. São Paulo: Ed. Loyola, 2002.

MCKIRAHAN, Richard. A Filosofia Antes de Sócrates: uma introdução com textos e comentários. Tradução de Eduarodo Wolf Pereira. São Paulo, 2013.

OTTO, Walter. Os Deuses da Grécia: a imagem do divino na visão do espírito grego. Tradução de Ordep Serra. São Paulo: Odysseus, 2005.

OTTO, Walter. Teofania: o espírito da religião dos gregos antigos. Tradução de Ordep Trindade Serra, São Paulo: Odysseus, 2006.

PEREIRA, Ivanete. Aspectos sagrados do mito e do lógos: poesia hesiódica e Filosofia de Empédocles. 2. ed. São Paulo: EDUC - Editora da PUC/SP, 2006. v. 1. 176 p.

PEREIRA, Ivanete. Ριζώµατα: Raízes na cosmologia de Empédocles / Ivanete Pereira. – Guarulhos, 2019.

PEREIRA, Ivanete. Sobre o estatuto das formas de vida no legado de Empédocles. Perspectiva Filosófica, vol. 49, n. 2, 2022, p. 298-317.

PESSANHA, José Américo Mota. “Empédocles e a democracia”. In: Kleos Revista de Filosofia Antiga. Rio de Janeiro, 1965.

PRIMAVESI, Oliver. Empedocles’ Cosmic Cycle and the Pythagorean Tetractys. Rhizomata, 4(1), 2016, p. 5-29.

RAGUSA, Giuliana. Da castração à formação: a gênese de Afrodite na Teogonia. Letras Clássicas, (5), 109-130.

REALE, Giovanni. Os Pré-Socráticos e o Orfismo. São Paulo, Edições Loyola, 2009.

ROSSETI, Lívio. Introdução à Filosofia Antiga: premissas filológicas e outras “ferramentas de trabalho”. Tradução de Élcio de Gusmão Verçosa Filho. São Paulo: Paulus, 2006.

SASSI, Maria Michela. Os Inícios da Filosofia Grega. Tradução de Dennys Garcia Xavier. São Paulo: Loyola, 2015.

SEDLEY, D. Empedoclean Superorganisms. Rhizomata, v. 4, n. 1, p. 111- 125. 2016. Também: SEDLEY, D. Lucrecio and the transformation of Greek Wisdon Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

VERNANT, Jean-Pierre e DETIENNE, Marcel. Métis:as astúcias da inteligência. Tradução de Filomena Hirata. São Paulo: Odysseus, 2008.

VERNANT, Jean-Pierre. A morte nos olhos: a figuração do outro na Grécia Antiga, Ártemis e Gorgó. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Tradução de Ísis Borges da Fonseca. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992.

VERNANT, Jean-Pierre. Figura, Ídolos e Máscaras. Tradução de Telma Costa. Lisboa: Teorema, 1992.

WRIGHT, M. Rosemary. Empedocles: The Extant Fragments. 2a ed. London: Bristos Classic Press, 1995; reprinted 2001. (1a ed., 1981.)

Bibliografia de apoio (dicionários, léxicos e outras obras de referência):

BAILLY, Anatole. Dictionnaire Grec-Français. 26ª. ed. Édition revue par L. Séchan et P. Chantraine. Paris: Hachette, 1963.

BENVENISTE, Émile. O Vocabulário das Instituições Indo-Européias II –Poder, Direito, Religião. Tradução de Denise Botmann, Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

BENVENISTE, Émile. O Vocabulário das Instituições Indo-Européias I Economia, Parentesco, Sociedade. Tradução de Denise Botmann. Campinas:Editora da UNICAMP, 1995.

CHANTRAINE, Pierre. Dictionnaire étymologique de la langue grecque. Paris: Klincksieck,1968.

LIDDELL, Henry George; SCOTT, Robert. A Greek-English Lexicon. Revised and augmented throughout by Sir Henry Stuart Jones with the assistance of Roderick McKenzie. Oxford: Clarendon Press, 1940.

PETERS, F.E. Termos Filosóficos Gregos. Trad. Beatriz Rodrigues Barbosa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 1976.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade

Downloads

Não há dados estatísticos.