O Drama e a Ideia de Bem
PDF

Palavras-chave

Platão
República
Bem
Sol
Linha
Caverna
Sócrates

Como Citar

BRAGA, André. O Drama e a Ideia de Bem: receios, esquivas e inseguranças do personagem Sócrates. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, SP, v. 18, n. 27, p. 11–51, 2022. DOI: 10.53000/cpa.v18i27.1660. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cpa/article/view/17235. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

A compreensão de qual seja o papel, na filosofia de Platão, do Bem, enquanto Ideia ou Forma, sempre foi assunto dos mais debatidos em toda a sua obra. Alguns pontos são pacíficos: p. ex., o Bem é o fundamento ontológico último de toda a ética e pensamento político do fundador da Academia. Outros, embora não pacíficos, são milenarmente aceitos: a ontologia do Bem exposta em República VI e VII é o coração do pensamento platônico. E outros dados são textuais  - que é o caso dos dados dramáticos. Este artigo focará sobre um ponto específico do problema, a saber: as nuances dramáticas em meio às quais a narrativa sobre o Bem (os três símiles: Sol, Linha Dividida e Caverna) surge na obra. Com a atenção então voltada para o momentum do drama que envolve a eclosão das três famosas imagens nos livros centrais da República, procurar-se-á pensar no que significa toda a atmosfera de esquiva, forte insegurança e tergiversação que lhes atravessa. E, demorando-se sobre tais nuances ou “pistas” dramáticas, o artigo confrontá-las-á com a opinião de alguns estudiosos do tema (ADAM, 1902; CORNFORD,  1945 e 1952; ANNAS, 1997; BALTES, 1999; SANTAS, 1999; GUTIERREZ, 2003; LISI, 2003; SZLEZÁK, 2003; SHIELDS, 2011). Nesse ínterim, uma outra possibilidade interpretativa acerca do papel da narrativa sobre o Bem será sugerida.

https://doi.org/10.53000/cpa.v18i27.1660
PDF

Referências

ADAM, J. The Republic of Plato. Edited with critical notes, commentary, and appendices by James Adam. Cambridge: CUP, 2009 (1902), vol. I.

ADAM, J. The Republic of Plato. Edited with critical notes, commentary, and appendices by James Adam. Cambridge: CUP, 2009 (1902), vol. II.

ANNAS, J. Understanding and the Good: Sun, Line, and Cave. In KRAUT, R. (ed.) Plato’s Republic: Critical Essays. New York: Rowman & Littlefi eld, 1997.

ARISTÓTELES. Metafísica – tradução de Vincezo Cocco. In Os Pensadores IV. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

AUGUSTO, M.G.M. O filósofo cômico. In Kléos 2/3 (1998/1999).

BALTES, M. Is the Idea of the Good in Plato’s Republic beyond Being? In BALTES, M.; HÜFFMEIER, A. (ed.). DIANOEMATA. Kleine Schriften zu Platon und zum Platonismus. Stuttgart; Leipzig: Teubner, 1999, p. 351-371.

BENOIT, A. H. R. Em busca da odisseia dialógica: a questão metodológica das temporalidades. Campinas: UNICAMP, 2004 (tese de Livre-Docência).

BERGSON, H. O riso. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BLOOM, A. The Republic of Plato. Transl. with notes and an interpretative essay by Allan Bloom. New York: Basic Books, 1991.

BLONDELL, R. The play of character in Plato’s dialogues. Cambridege: CUP, 2003 (2002).

CORNFORD, F. M. The Republic of Plato. London: Oxford University Press, 1945.

CORNFORD, F. M. Plato’s Cosmology. Londres: Routledge e Kegan Paul Ltda, 1952.

CORNFORD, F. M. Mathematics and Dialetic in the Republic VI-VII. In ALLEN, R. E. (ed.). Studies in Plato’s Metaphysics. London: Routledge & Kegan Paul, 1967.

ECO, U. El nombre de la rosa. Buenos Aires: Lumen, 1995.FINE, G. Plato’s I – Metaphysics and Epistemology. Oxford: OUP, 1999.

GUTIERREZ, R. Introducción. In Idem (ed.). Los símiles de la República VI-VII de Platón. Lima: PUC-Peru, 2003.

GUTIERREZ, R. La estructura de los símiles de la República como clave hermenéutica: el Parménides y outros. In Idem (ed.). Los símiles de la República VI-VII de Platón. Lima: PUC-Peru, 2003.

JOYAL, M (ed.). Studies in Plato and the Platonic Tradition. Aldershot: Ashgate, 1997.

LAMPERT, L. PLANEAUX, C. Who’s who in Plato’s Timaeus-Critias and why. In The Review of Metahphysics 52 (1998), p. 87-125.

LISI, F. Bien, intelecto y demiurgo em Platón. In GUTIERREZ, R. (ed.). Los símiles de la República VI-VII de Platón. Lima: PUC-Peru, 2003.

NIETZSCHE, F. W. A gaia ciência. São Paulo:Companhia das Letras, 2001.

PEREIRA, M.H.R. Introdução. In PLATÃO. A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

PLATÃO. A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

ROSA, J. G. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, 1a. Edição, vol. II.

SANTAS, G. The Form of the Good in Plato’s Republic. In FINE, G. Plato’s I – Metaphysics and Epistemology. Oxford: OUP, 1999.

SHIELDS, C. Surpassing in Dignity and Power: The Metaphysics of Goodness in Plato’s Republic. In ANAGNOSTOPOULOS, G. (ed.). Socratic, Platonic and Aristotelian Studies: Essays in Honor of Gerasimos Santas. London: Springer Science+Business Media, 2011.

SHOREY, P. What Plato said. Chicago: UCP, 1933.

SILVA, A. L. B. Platão e a terceira margem do rio: um estudo sobre Divisão e Ontologia das Ideias no Sofista. Uberlândia: UFU, 2012, disponível em http://repositorio.ufu.br/handle/123456789/3301 e em http://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/3301/1/Plat%C3%A3oTerceiraMargem.pdf (páginas de internet).

SIMPSON, P. Sócrates joven y anciano: del Parménides al Fedón. In GUTIERREZ, R. (ed.). Los símiles de la República VI-VII de Platón. Lima: PUC-Peru, 2003.

SZLEZÁK, T.A. La idea del Bien como arché en la República de Platón. In GUTIERREZ, R. (ed.). Los símiles de la República VI-VII de Platón. Lima: PUC-Peru, 2003.

XENOFONTE. Memorabilia - tradução de Líbero Rangel e Andrade. In Os Pensadores II. São Paulo: Abril Cultural, 1972.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.