Nietzsche e o debate sobre a Aletheia grega
PDF

Palavras-chave

Aletheia
Mythos
Filosofa
Transvaloração
Valor de verdade

Como Citar

Manieri, D. (2016). Nietzsche e o debate sobre a Aletheia grega. Revista De Estudos Filosóficos E Históricos Da Antiguidade, 20(29), 13–36. https://doi.org/10.53000/cpa.v20i29.2226

Resumo

Este artigo tem como objetivo um estudo dos embates interpretativos sobre a aletheia na Grécia antiga. Utilizamos as teorizações de Nietzsche, Heidegger e Detienne que trazem os conceitos de transvaloração, apropriação e secularização, respectivamente. Neste campo de confronto, mythos, lógos e veritas surgem como termos que disputam o valor de verdade. Segundo o historiador Marcel Detienne, a aletheia sofre um processo de transformação de sentido no contexto histórico da formação da pólis grega, onde o poeta é substituído pelo filósofo como agente portador do discurso de verdade. O pensamento de Nietzsche parece concordar, em parte, com esse argumento da secularização; já Heidegger situa a transformação do conteúdo da aletheia no Imperium romano.

 

https://doi.org/10.53000/cpa.v20i29.2226
PDF

Referências

BRISSON, Luc. Introdução à filosofia do mito (I – Salvar os mitos). 2ª Ed. Tradução José C. Baracat Junior. São Paulo: Paulus, 2014.

BURNETT, Henry. Para ler “O nascimento da tragédia” de Nietsche. São Paulo: Edições Loyola, 2012. (70 p.)

CASSIRER, Ernst. Linguagem e mito. Tradução de J. Guinsburg, Miriam Schnaiderman. São Paulo: Perspectiva, 2009. (127 p.)

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. 2ª Ed. Tradução de Luiz Orlandi, Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2006. (437 p.)

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. 5ª Ed. Tradução de Luiz R. S. Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2009. (342 p.)

DETIENNE, Marcel. Mestres da verdade na Grécia arcaica. Tradução de Ivone C. Benedetti. São Paulo: wmf Martins Fontes, 2013. (174 p.)

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Tradução de Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 2011. (179 p.)

FINLEY, Moses I. Economia e sociedade na Grécia antiga. 2ª Ed. Tradução de Marylene P. Michael. São Paulo: wmf Martins Fontes, 2013. (366 p.)

FINLEY, Moses I. O mundo de Ulisses. Tradução de Armando Cerqueira. Lisboa: Editorial Presença, 1982. (143 p.)

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 3ª Ed. Tradução de Luiz F. B. Neves. Rio de Janeiro: Editora Forense-Universitária, 1987. (239 p.)

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979. (296 p.)

GAZOLLA, Rachel. Pensar mítico e filosófico: estudos sobre a Grécia antiga. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

GORDON, Haim; GORDON, Rivca. Heidegger on truth and myth: a rejection of postmodernism. New York: Peter Lang Publishing, 2006. (305 p.)

HAAR, Michel. Nietzsche et La métaphysique. Paris: Gallimard, 1993.

HARTOG, François. Os antigos, o passado e o presente. Tradução de Sonia Lacerda, Marcos Veneu, José O. Guimarães. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2003. (205 p.)

HATAB, Lawrence J. Genealogia da moral de Nietzsche: uma introdução. Tradução Nancy Juozapavicius. São Paulo: Madras, 2010. (304 p.)

HEIDEGGER, Martin. Parmênides. Tradução de Sérgio M. Wrublevski. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco; Petrópolis: Editora Vozes, 2008. (238 p.)

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche. 2ª Ed. Tradução Marco A. Casanova. Forense Universitária, 2014. (817 p.)

JAEGER, Werner. Paideia: a formação do homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. São Paulo: wmf Martins Fontes, 2011. (1413 p.)

MARQUES, António. A filosofia perspectivista de Nietzsche. São Paulo: Discurso Editorial; Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2003. (205 p.)

NATORP, Paul. Teoria das ideias de Platão: uma introdução ao idealismo I. Tradução de Vasilis Politis e John Connolly. São Paulo: Paulus, 2012a. (414 p.)

NATORP, Paul. Teoria das ideias de Platão: uma introdução ao idealismo II. Tradução de Vasilis Politis. São Paulo: Paulus, 2012b. (543 p.)

NIETZSCHE, Friedrich W. A vontade de poder. Tradução de Marcos S. P. Fernandes, Francisco J. D. de Moraes. Rio de Janeiro: Contraponto Editora, 2008. (513 p.)

NIETZSCHE, Friedrich W. Escritos sobre a História – Fatum e História/ Considerações intempestivas II/ Fragmentos póstumos e aforismos. Tradução de Noéli C. de M. Sobrinho. Rio de Janeiro: Editora da PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2005b. (360 p.)

NIETZSCHE, Friedrich W. Genealogia da moral: uma polêmica. 8ª Ed. Tradução de Paulo C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005a. (177 p.)

NIETZSCHE, Friedrich W. O anti-Cristo. 5ª Ed. Tradução de Carlos J. de Menezes. Rio de Janeiro: Livraria Camões; Lisboa: Guimarães Editores, 1978. (118 p.)

NIETZSCHE, Friedrich W. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Tradução J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. (175 p.)

NIETZSCHE, Friedrich W. A visão dionisíaca do mundo. Tradução de Marcos S. P. Fernandes e Maria C. dos S. de Souza. São Paulo: Martins fontes, 2005c. (93 p. )

NIETZSCHE, Friedrich W. Sabedoria para depois de amanhã. Tradução de Karina Jan-nini. São Paulo: Martins Fontes, 2005d. (303 p.)

RUTHVEN, K. K. O mito. Tradução de Esther E. Horivitz. São Paulo: Perspectiva, 2010. (120 p)

SAFRANSKI, Rüdiger. Nietzsche: biografia de su pensamiento. Barcelona: Fabula TusQuets Editores, 2004. (408 p.)

SNELL, Bruno. A cultura grega e as origens do pensamento europeu. São Paulo: Perspectiva, 2009.

SPINELLI, Miguel. Questões fundamentais da filosofia grega. São Paulo: Edições Loyola, 2006. (375 p.)

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos. 2ª Ed. Tradução de Haiganuch Sarian. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2008. (504 p.)

ZUBARAN, Luiz C. A gênese do conceito de verdade na filosofia grega. Canoas: Editora da ULBRA, 2004.

WEBER, Paulina R. (et. al.). Entre hermenêuticas. México: Facultad de Filosofía y Letras, 2004. (196 p.)

FRANCALANCI, Carla. Considerações sobre a doxa no Livro III da República. Revista de Filosofia Antiga. Vol. 4 n.1, 2010. Departamento de Filosofia da USP. (retirado em 01/11/2015 de www.revistas.usp.br/filo-sofiaantiga).

PEREIRA, Miguel B. O regresso do mito no diálogo entre E. Cassirer e M. Heidegger. Revista Filosófica de Coimbra. Vol. 4 n. 7 março de 1995, p. 3-66. (Retirado em 25/10/2015 de www.uc.pt/fluc/dfci/public/publicaco-es)

SOARES, Lucas. Esbozo de uma discrepância: Platón y La poesia tradicional. Kléos – Revista de Filosofia Antiga. Vol. 7-8 n. 7-8, Julho 2003-Julho 2004, p. 71-93. Programa de Estudos em Filosofia Antiga/Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. (retirado em 01/11/2015 de www.pragma.ifcs.ufrj.br/kleos).

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade

Downloads

Não há dados estatísticos.