Heidegger e o Sofista de Platão

Autores

  • Anastácio Borges Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.53000/cpa.v11i22/23.757

Palavras-chave:

Heidegger, Sofista, Platão, Antiguidade

Resumo

Entre os vários pensadores que, no panorama filosófico atual, retomaram a Antigüidade, Martin Heidegger, seguramente, ocupa uma posição de destaque. Ainda que muitas de suas interpretações acerca do pensamento antigo sejam  controversas entre os especialistas, parecem incontornáveis muitas de suas lições e seminários. Nosso trabalho tomará como tema as lições de Heidegger, ocorridas durante o semestre de inverno [1924 - 1925], acerca do diálogo Sofista de Platão. O Mestre de Fribourg deixa explícito na sua exegese do diálogo Sofista, e isto parece aplicar-se a suas interpretações dos textos da tradição filosófica em geral, que ele não tem uma intenção histórica, na medida em que ele parece não se preocupar em reconstituir o pensamento platônico, mas antes, seguir o trabalho do pensamento, desobstruir suas tendências imanentes, pensar ao lado do texto e assim tentar elucidá-lo. Nosso trabalho procurará caracterizar a exegese heideggeriana acerca do Sofista de Platão, a partir de uma dupla perspectiva: por um lado, mostrar que suas interpretações acerca do pensamento antigo parecem, do ponto de vista daquilo que estudamos e  investigamos na história da filosofia, discutíveis, para não dizer inaceitáveis, e, por outro lado, essas mesmas interpretações, do ponto de vista filosófico, parecem revigorar os textos antigos ao atualizar seus conceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anastácio Borges, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ARISTOTE. Physique. 2ª Ed. Traduction et présentation par Pierre Pellegrin.Paris: Flammarion, 2002.

ARISTÓTELES. Metafísica. Texto Grego com tradução de Marcelo Perine daversão Italiana de Giovanni Reale. São Paulo: Loyola, 2002.

AUBENQUE, Pierre. “A História da Filosofia é ou não filosófica? Sim e Não”. In:Princípios, Natal, Ano 5, No. 6, 1998, pp. 173-190.

CORDERO, Nestor-Luis. “L’invention de l’ecole éléatique: Platon, Sophiste, 242d”,In: AUBENQUE, Pierre (org.). Études sur le Sophiste de Platón. Naples:Bibliopolis, 1991, pp. 91-124.

HEIDEGGER, Martin. Introdução à Metafísica. Apresentação e tradução deEmmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1966.

HEIDEGGER, Martin. Platon: Le Sophiste. Traduit de l’allemand par Jean-FrançoisCourtine, Pascal David, Dominique Pradelle et Philippe Quesne. Paris:Gallimard, 2001.

SCHLEIERMACHER, Friedrich D. E. Introdução aos diálogos de Platão. Trad.Georg Otte. Belo Horizonte: UFMG, 2002 (Travessias).

STEIN, Ernildo. “Heidegger e Platão”.In: Veritas, Porto Alegre, Volume 49, No.1,2004, pp. 23-30.

Downloads

Publicado

2012-10-30

Como Citar

Borges, A. (2012). Heidegger e o Sofista de Platão. Revista De Estudos Filosóficos E Históricos Da Antiguidade, 11(22/23). https://doi.org/10.53000/cpa.v11i22/23.757