A "estranheza" dos antigos, ou
PDF

Palavras-chave

Quintiliano
Antiguidade
Estranheza
Antigos

Como Citar

PEREIRA, Marcos. A "estranheza" dos antigos, ou: para que serve a antiguidade? Sobre certa leitura de Quintiliano pelos "modernos". Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, SP, v. 11, n. 22/23, 2012. DOI: 10.53000/cpa.v11i22/23.762. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cpa/article/view/17080. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

Trabalho visa comentar certos usos dos textos antigos - em particular, da ‘Institutio oratoria’ - em modernos manuais de introdução à Lingüística e certas afirmações feitas sobre aqueles por autores modernos. Pretende-se verificar como, por trás de formulações modernas que têm a Antigüidade, direta ou indiretamente, como objeto de estudo, encontra-se uma tentativa de legitimar, na verdade, teorias modernas, pouco importando se as leituras aí implicadas desfiguram ou não o que se encontra nos textos em que se baseiam, cuja história e motivação (produção e circulação) se deveram a fatores geralmente ignorados pela posteridade.

https://doi.org/10.53000/cpa.v11i22/23.762
PDF

Referências

ALMEIDA, N. M. “O ensino da gramática entre os romanos”. In: O Estado de S.Paulo, 21/02/1981, p. 3.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. T rad. Eni P. Orlandi.Campinas: Unicamp, 1992.

AYTO, J. The Wordsworth dicitionary of foreign words in English: an illuminatingguide to recherché terms. Hertfordshire: Wordsworth, 1995.

BARATIN, M. “La constitution de la grammaire et de la dialectique”. In: Auroux, S.(dir.) Histoire des idées linguistiques: la naissance des métalangages enorient et en occident. Liège: Mardaga, 1989.

CANDIDO, A. “O portador”. In: Nietzsche, F. Obras incompletas. São Paulo: Abril,1983.

CASEVITZ, M. & F. CHARPIN. “L’héritage gréco-latin”. In: É. BÉDARD & J. MAURAIS(org.) La norme linguistique. Québec: Conseil de la Langue Française, 1983.

CHIAPPETTA, C. Ad animos faciendos: comoção, fé e ficção nas Partitionesoratoriae e no De officiis de Cícero. T ese de Doutoramento, inédita. SãoPaulo: FFLCH/USP, 1997.

COLSON, F. H. (ed.) M. Fabii Quintiliani Institutionis oratoriae liber I. Cambridge:Cambridge University Press, 1924.

COMÉNIO, J. A. Didáctica magna: tratado da arte universal de ensinar tudo atodos. Trad. Joaquim F. Gomes. 3. ed. Lisboa: Gulbenkian, 1985.

CORADINI, H. Metalinguagem na obra De lingua Latina de Marcos Terêncio Varrão.Tese de Doutoramento, inédita. São Paulo: FFLCH/USP, 1999.

FRANCA, L. O método pedagógico dos jesuítas – o “ratio studiorum”: introdução etradução. Rio de Janeiro: A.G.I.R., 1952.

ITKONEN, E. Universal history of linguistics: India, China, Arabia, Europe. Amsterdã/Filadélfia: John Benjamins, 1991.

JAKOBSON, R. Lingüística e comunicação. T rad. Izidoro Blikstein & José P. Paes.São Paulo: Cultrix, s.d.

LEITE, M. Q. Metalinguagem e discurso: a configuração do purismo brasileiro.São Paulo: Humanitas-FFLCH/USP, 1999.

MOUNIN, G. História da lingüística: das origens ao século XX. Trad. F. J. HopfferRêgo. Porto: Despertar, c. 1970.

MURACHCO, H. G. “O professor de línguas e o idioma nacional”. Jornal da USP, n.462 (ano XIV), (01 a 07 de março de) 1999, p. 13 et sq.

PEREIRA, M. A. O discurso gramatical antigo, seu reflexo em Quintiliano e suarepercussão: algumas questões. Tese de Doutoramento, inédita. São Paulo:FFLCH/USP, 2002.

QUINTILIEN. Institution oratoire. Vol. I. Ed. Jean Cousin. Paris: Belles Lettres,1975.

ROBINS, R. H. Ancient and mediaeval grammatical theory in Europe: with particularreference to modern linguistic doctrine. Londres: Bell & Sons, 1951.

SAMPSON, G. Sistemas de escrita: tipologia, história e pedagogia. Trad. Valter L.Siqueira. São Paulo: Ática, 1996.

SAUSSURE, F. Curso de lingüística geral. T rad. José V. Adragão. Lisboa: DomQuixote, 1978.

VASCONCELOS, B. A. “Quatro princípios de educação oratória segundo Quintiliano”.PhaoS – Revista de Estudos Clássicos, n. 2, 2002, p. 205-225.

WEST, F. The way of language: an introduction. Nova York: Harcourt BraceJovanovich, 1975.

A Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade utiliza a licença Creative Commons — Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International — CC BY-NC-ND 4.0. Esta é a mais restritiva das nossas seis licenças principais, só permitindo que outros façam download dos seus trabalhos e os compartilhem desde que atribuam crédito a você, mas sem que possam alterá-los de nenhuma forma ou utilizá-los para fins comerciais. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade

Downloads

Não há dados estatísticos.